Início Brasil Dólar fecha em alta com expectativa por aumento de juros; Ibovespa cai

Dólar fecha em alta com expectativa por aumento de juros; Ibovespa cai

Os principais indicadores do mercado financeiro brasileiro fecharam a semana no campo negativo com a expectativa de nova alta da taxa de juros na próxima quarta-feira, 16, depois de a inflação de abril vir mais forte do que o projetado. A variação de preços também é pauta nos mercados internacionais, que reagem de forma menos temerária ao segundo aumento acima do esperado da inflação dos Estados Unidos. O dólar fechou o dia com alta de 1,12%, cotado a R$ 5,123, depois de alcançar a máxima de R$ 5,139 e a mínima de R$ 5,054. A divisa norte-americana encerrou a semana com alta de 1,74%, enquanto na prévia do mês o câmbio caiu 1,93%. Desde o início do ano, o dólar recuou 1,25%. O Ibovespa, referência da Bolsa de Valores brasileira, deu uma pausa nos ganhos e encerrou a sexta-feira com queda de 0,49%, aos 129.441 pontos. O principal indicador da B3 acumula queda de 0,52% na semana e alta de 2,55% na prévia de junho. Em 2021, o Ibovespa acumulou avanço de 8,37%.

A atenção dos investidores se volta ao encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) entre a próxima terça e quarta-feira. O colegiado deve anunciar o acréscimo de 0,75 ponto percentual na Selic, jogando a taxa básica de juros da economia brasileira para 4,25%. O avanço de 0,83% da inflação em abril — com soma de 8,06% nos últimos 12 meses —, no entanto, pode fazer com que esse movimento seja maior do que o esperado. Fontes consultadas pelo BC já enxergam o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o medidor oficial da inflação, a 5,44%, acima do teto da meta perseguida pela autoridade monetária, de 5,25%.

Ainda no cenário doméstico, a prestação de serviços subiu 0,7% em abril, mas ainda está 1,5% abaixo do patamar do pré-pandemia, em fevereiro de 2020. A alta também remove apenas parte da queda de 3,1% registrada em março em meio ao retorno de medidas de isolamento social. No acumulado do ano, o setor cresceu 3,7%. Em 12 meses, no entanto, o volume de serviços ainda registra queda de 5,4%, ante recuo de 8% observado em março. Na comparação com abril do ano passado, o segmento avançou 19,8%, a segunda taxa positiva seguida e a mais intensa da série histórica, iniciada em janeiro de 2012.

Ultimas Notícias